domingo, 6 de julho de 2014

PENSANDO O RESPEITO ENQUANTO VALOR FUNDAMENTAL DO SER HUMANO


Epitácio Rodrigues

Desde o nosso nascimento, somos lançados em um mundo de coisas, seres, crenças, valores e costumes que interferem diretamente na construção do nosso entendimento da realidade, por isso não vivemos simplesmente, mas con-vivemos, na medida em somos impelidos a partilhar um complexo de vivências intersubjetivas. Cada um de nós é o resultado desses encontros e vivências e o significado que lhes atribuímos, pois ao partilharmos a existência com outras pessoas, somos afetados por essa teia de valores e entendimentos, mas não assimilados passivamente por nós, pois fazemos uma síntese muito pessoal, tornando o meu entendimento do mundo sempre diferente dos demais com os quais interajo.
O contato interpessoal põe em evidência as diferenças e, não raro, ocasiona conflitos de interesses, de desejos e de projetos de vida. Se não podemos viver sozinhos, fica a indagação de como devemos lidar com as diferenças? Se por um lado, não é possível vivermos na solidão, no máximo momentos de isolamento físico, já que o ser-com-os-outros é parte da nossa constituição fundamental, também não podemos obrigar os outros a se tornarem iguais a nós à Procusto. Resta-nos apenas aprender a con-viver com mais excelência. Isso significa que se a sociabilidade faz parte da nossa constituição, a socialização saudável é fruto de um aprendizado, é resultado de uma pedagogia da con-vivência. Mas, interagir de modo significativo com outras pessoas supõe a decisão de cultivar alguns valores indispensáveis, dente eles, o respeito. Estamos acostumados a pensar o respeito como sinônimo de temor em relação a alguém, mas conforme lembram Aranha e Pires, a palavra respeito deriva do latim respicere, cujo significado básico é “olhar para”. Assim, respeito indica, no sentido mais preciso, a capacidade de ver a pessoa como ela é, reconhecendo-a na sua individualidade singular (1993, p. 321). Respeito, portanto, é ver o outro como outro.
Ver uma pessoa na sua alteridade não é muito fácil, pois normalmente reduzimos as pessoas ao que pensamos ou imaginamos dela e não percebemos que uma coisa é o que pensamos dele e outra bem diferente o que ele é de fato. Para ver as pessoas como são a primeira exigência é nos darmos conta de que o outro, no sentido mais preciso, nos escapa. Mas então, como evitar ou ao menos minorar uma compreensão equivocada do outro pela nossa inteligência? A resposta é simples: “ver” e “ouvir” o outro. A orientação pode parecer simplória, mas às vezes, o fundamental é o mais óbvio, o que não significa que seja o mais fácil.  Ver e ouvir são exigências inerentes ao conceito de pessoa humana. De fato, a origem da palavra pessoa, na tradição latina deriva de persona, que por sua vez traduz a palavra grega prosopon (mascara/face). Prosopon “é originariamente formado de duas outras palavras: pros, 'em direção de' e ops, 'olho', e o seu sentido mais preciso é: 'aquilo que atrai o olhar'” (RODRIGUES, 2013, p. 45). A palavra tem, portanto, uma ligação intrínseca com a experiência do olhar. Eu reconheço o outro voltando o meu olhar atento para ele, com o propósito de vê-lo como ele é. Não podemos esquecer o aspecto dialético da experiência: revelação – indicado pelo rosto – e o velamento sugerido pela máscara. Outro é revelação e mistério. O respeito é ver o outro como pessoa: alguém que mostra que o ser é transfenomenal, ou seja, ultrapassa o que o meu olhar capta. Mas prosopon tem também uma relação com a comunicação. Algo que é mais bem elucidado pela tradução latina, persona (de per- para; sonare – soar): literalmente “para soar mais perfeitamente”. O prosopon ou persona era originariamente uma mascara teatral que servia para caracterizar o rosto e a identidade do ator, se trágico ou cômico, mas também para ampliar o som da sua voz, tornando-a audível e compreensível pelo auditório. Assim, ouvir o falar do outro, como uma forma de revelação de si. Diálogo (diá- entre; logos – palavra, ideia, conceito) significa o processo de interação no qual uma palavra/logos se coloca entre dois. É através do diálogo, no face-a-face, que o outro se revela a nós como outro. Assim, é pela escuta do outro como outro, no face-a-face da proximidade, que ele se mostra como fenômeno e transfenomenal.

Referência bibliográfica:
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda & PIRES, Maria Helena Martins. Filosofando. 2ª ed. rev. e atual. São Paulo: Moderna, 1993.
COMTE-SPONVILLE, André. Dicionário Filosófico. São Paulo: wmfmartinsfontes, 2011.
DUSSEL, Enrique. Ética Comunitária. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.
RODRIGUES, Epitácio. Do Ninguém à Pessoa. In: RODRIGUES, Epitácio & CARVALHO, Elieldo Duarte. As Portas do Tempo nos Muros da Vida. Juazeiro do Norte-CE: 2013.


Nenhum comentário:

Postar um comentário